Gastronomia. Quem deixou os cuscos em Trás-os-Montes?

“Isto é deitar água e depois, com as mãos, sempre a torcer”, diz dona Maria de Lurdes, enquanto demonstra, repetindo os gestos que se fazem nesta região de Trás-os-Montes há séculos e que quase estiveram em risco de se perder. Estamos aqui para ouvir a história dos cuscos transmontanos, esse produto praticamente desconhecido no resto […]

Gastronomia. Quem deixou os cuscos em Trás-os-Montes?

“Isto é deitar água e depois, com as mãos, sempre a torcer”, diz dona Maria de Lurdes, enquanto demonstra, repetindo os gestos que se fazem nesta região de Trás-os-Montes há séculos e que quase estiveram em risco de se perder. Estamos aqui para ouvir a história dos cuscos transmontanos, esse produto praticamente desconhecido no resto do país e que nos liga ao Norte de África sem que tenhamos, para já, conseguido traçar a sua história completa ao longo do tempo. Maria de Lurdes Diegues é da aldeia de Paçó, concelho de Vinhais, e há quinze anos que vende os cuscos na feira. Mas, nos últimos tempos, depois de esta tradição alimentar ter despertado a curiosidade de alguns investigadores, a procura é cada vez maior e ela não tem mãos a medir — literalmente, porque este é um trabalho de mãos, e, sobretudo de braços. Debruçada sobre a masseira, deixa água morna com sal na farinha, delicadamente, usando uma vassoura feita de ervas selvagens — “chamam-lhe mata pulga, é da família do linho” — porque é esta a melhor forma de dosear a água, que, presa nos ramos fininhos da planta, cai “pinguinha a pinguinha”.
 

Saiba mais em: Público 

Por: Alexandra Prada Coelho

Festival do Butelo e Casulas 2017

 

Butelo e Cascas 2017

Este ano o Carnaval em Bragança, tem dois aliados de peso: O Butelo e os Caretos, venha a Bragança entre 24 e 26 de fevereiro e desfrute de um belo Carnaval.

(via: O Cantinho romântico Transmontano)

turismo rural piscina

Turismo rural em Bragança com piscina?

Procura um local para momentos a dois, em família ou com amigos na região de Bragança, que disponha de piscina?

Na A. Montesinho encontra esse lugar ideal. Com 6 casas de turismo rural, localizadas na aldeia de Gimonde, a apenas 5 km de Bragança, em pleno Parque Natural de Montesinho.

A Casa do Forno é uma unidade de agroturismo com elevados padrões de conforto e comodidade. O seu nome deve-se à existência de um forno onde tradicionalmente se coze o pão, onde se assa o bom cordeiro Bragançano DOP bem como outras iguarias tradicionais da região. Com piscina, campo de jogos e parque infantil é uma excelente opção para quem quer desfrutar dos prazeres do campo e da natureza.
O Guieiro é o monte sobranceiro à Quinta das Covas, onde geminada com a Casa do Forno, está a Casa do Guieiro. Antigamente, cada trabalho desenvolvido na agricultura era acompanhado por momentos de festa durante ou depois das tarefas agrícolas. Como escreve Belarmino Afonso, “ bailes faziam-se em qualquer local, principalmente à noite, e com gente nova. A roçada, a cegada, o magusto, a festa dos rapazes, o Carnaval são alguns exemplos. Alivie o stress, respire o ar puro da montanha e aprecie a gastronomia local.

Faça já a sua reserva através da seguinte ligação, e usufrua de momentos únicos.

rota da terra fria

Reservar Escapadinha da Rota da Terra Fria

(via Reservar | Rota da Terra Fria)
Agora já pode reservar a sua escapadinha na Rota da Terra Fria Transmontana, através da A. Montesinho.
Chegou a altura de fazer as pazes com a vida ao ar livre, respirar fundo os aromas da natureza, retomar o hábito das caminhadas e, sobretudo, renovar os estados de espírito. Se procura uma ideia diferente para aproveitar, de sol a sol, estes dias amenos, a Rota da Terra Fria Transmontana tem o melhor para si.
Aproveita e reserve já a escapadinha de primavera:
2 noites/3 dias

1º DIA
Check-in no estabelecimento de alojamento aderente.
Receção de boas vindas com entrega de “Maxi box” da Rota.
Jantar em restaurante aderente – Ementa “Escapadinhas na Rota da Terra Fria Transmontana”: trio de entradas regionais/prato de gastronomia regional da época/doçaria regional.

chouricas

Humanidade Gastronomia de Trás-os-Montes candidata a Património da Humanidade

A Gastronomia de Trás-os-Montes e Alto Douro vai ser candidatada a Património Cultural Imaterial da Humanidade da Unesco, anunciaram hoje os promotores.
As promotoras são três associações locais de desenvolvimento local, a Desteque, Corane e Douro Superior, que representam a maioria dos municípios de toda a região e que vão fazer a apresentação pública da pretensão na sexta-feira.

Fonte: Notícias ao Minuto

Voltar ao Topo